sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

salgueiro chorão

bem lá dentro do meu peito
mora um pé de salgueiro chorão
que quando é noite e me deito
chora um choro manso e triste
de chuva fina e areia
que faz as dores do mundo grande
quase sempre desaparecer

3 comentários:

Ana Paula disse...

E que as dores sempre desapareçam...^^

Luciana Brito disse...

Oi Paulo =]


Então, acho que dentro do meu peito também mora um pé de salgueiro chorão.

Nem sempre as dores desaparecem, talvez só aliviem, mas isso já é bem interessante.


Belas palavrinhas as suas.

Abraço ^^

Dani Santos disse...

... choro manso como a chuva que cai... insistente, contínua... fibras a apertar o peito, a banhar as horas de lágrimas, com doçura de uma dor que é, sempre e nunca.

palavra-abraço pra te envolver. palavra-beijo pra te acalmar. palavra-carinho pra ver sorrisos teus.